Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home   Voltar

Presbiopia

O que é

A Presbiopia é a perda da capacidade de focar imagens nitidamente na retina, pela falta de elasticidade do cristalino.

Presbiopia ou “vista cansada” é a redução gradual da visão de perto, geralmente percebida a partir dos 40 anos em ambos os sexos.

Está diretamente relacionada com as necessidades de esforços visuais de cada indivíduo. Manifesta-se pela dificuldade de ler pequenas letras, que melhora ao afastar o livro ou jornal dos olhos.

Causas

O envelhecimento é caracterizado por uma perda progressiva da elasticidade normal da pele e dos músculos, tornando-os mais delgados e menos vigorosos.

Na presbiopia ocorre um processo semelhante: ocorre uma redução progressiva da capacidade de contração do músculo ciliar, que regula a espessura do cristalino, associada à esclerose (endurecimento) do cristalino. Os dois problemas juntos reduzem a capacidade de focar as imagens na retina.

Sintomas e Tratamento

Pessoas que utilizam a visão para trabalhos manuais e leitura, o fazem a uma distância de cerca de 33 cm, procurando visualizar nitidamente o objeto, com um mínimo de esforço visual.

Com o passar dos anos esse esforço aumenta progressivamente, o que obriga o leitor a ir afastando o seu objeto até que com o tempo se torna inviável a visualização.

Para a correção da presbiopia, é necessário o uso de lentes convexas, bifocais ou progressivas, com a finalidade de convergir as imagens até a retina.

Fonte: www.novartis.com.br

Presbiopia

A presbiopia é a mais comum das desordens refrativas da vida adulta, estando relacionada a diminuição da amplitude de acomodação17 . Em indivíduos emétropes e hipermétropes, a presbiopia se manifesta em torno dos 40 anos, havendo necessidade de óculos para leitura ou lentes de contato.

Embora indivíduos míopes se beneficiem nesta idade, podendo as vezes ler sem auxílio óptico, suas amplitudes de acomodação também diminuem com a idade de maneira mais ou menos regular. Os sintomas começam com uma dificuldade em focalizar objetos próximos e avançam com cansaço visual durante a leitura, às vezes acompanhado de ardência ocular e lacrimejamento. Letras pequenas tornam-se ilegíveis na distância habitual levando ao borramento da imagem. Os sintomas são intensificados sob luz inadequada e tendem a ser piores ao final do dia 18.

Apesar dos custos anuais acarretados por este problema (National Advisory Eye Council, 1983), a(s) causa(s) básica(s) da presbiopia ainda resta(m) inexplicada(s). Vários estudos baseados na teoria de Helmholtz tentaram explicar a perda da acomodação em indivíduos idosos.

Quando se consideram várias possibilidades, qualquer teoria proposta deve levar em consideração o conhecido declínio da habilidade ocular de alterar o seu foco com a idade. Alguns estudos sugerem uma perda da elasticidade capsular e zonular com a idade, por isto, quando a zônula está relaxada o cristalino não é capaz de alterar sua forma 19. Existem alguns trabalhos que sugerem uma atrofia do músculo ciliar com a idade. 20

Existe também outros que fazem referência à uma deposição contínua de fibras sobre o cristalino tornando-o mais compacto com pouca maleabilidade. O fator mais importante para a perda da acomodação poderia ser também o aumento do grau de dureza do cristalino envelhecido, levando a uma inabilidade de responder ao estímulo acomodativo 21

Em geral, o conjunto de teorias proposta para se explicar as alterações que podem ocorrer no olho resultando na presbiopia são agrupadas em três categorias: teorias baseadas no cristalino e cápsula, que consideram as alterações na elasticidade e complacência do cristalino e da cápsula; teorias extralenticulares, que consideram as alterações no músculo ciliar e coróide; e teorias geométricas, que consideram as alterações da inserção zonular no cristalino 15.

Presbiopia

Fincham 22 adicionou novos achados que davam suporte a teoria acomodativa de Helmholtz, oferecendo evidências de que a presbiopia era causada pela inabilidade da cápsula em moldar a substância endurecida do cristalino para a forma acomodada. Fischer 23 e Pau and Kranz 24 também apoiaram a teoria da presbiopia de Fincham atribuindo a perda da capacidade de acomodação às alterações das propriedades elásticas do cristalino.

Além disto, Fischer 25 encontrou que a elasticidade capsular diminui pela metade entre a juventude e os 60 anos de idade. Baseado nestas evidências, nós podemos presumir que a redução da elasticidade capsular sozinha não pode explicar a presbiopia, somente diminuindo a capacidade de alterar a curvatura do cristalino.

Avaliando-se a pressão de moldeamento capsular vs estiramento lenticular, Fischer 23 concluiu que a diminuição da amplitude deve estar relacionada a redução da elasticidade capsular, alterações da elasticidade da substância do cristalino, e aplanamento do mesmo. Estes achados apoiam a teoria de Fincham da presbiopia porque uma menor elasticidade capsular exerceria menos força na substância endurecida do cristalino idoso.

Quando o cristalino é desencapsulado (em cobaias jovens), ele torna-se fino e aplanado 2. Estas observações sugerem que a substância do cristalino tende a restaurar as forças, mantendo-o no estado desacomodado. Estas forças são em contrapartida antagonizadas pela elasticidade capsular. Weale 26 sugeriu que em olhos jovens, as forças elásticas são dominantes, enquanto as forças restauradoras da substância do cristalino predominam na presbiopia.

As teorias baseadas no cristalino e cápsula aceitam uma evidência indireta de que o músculo ciliar é capaz de prover a mesma magnitude de força em olhos jovens e présbitas.

Medidas através de ciclografia de impedância demonstraram que a contração do músculo ciliar mantém-se estável até a idade de 60 anos, dando suporte a estas teorias 27. Entretanto, estes achados chegaram a ser criticados devido à incerteza do que exatamente este exame seria capaz de medir. As dúvidas resultam em parte da observação de que um determinado estímulo acomodativo não produz consistentemente uma mesma impedância 28.

Também, em macacos rhesus que possuem um sistema acomodativo similar ao dos humanos e que desenvolvem presbiopia em uma escala de tempo relativo ao envelhecimento 29, a habilidade do músculo ciliar de alterar a sua configuração em resposta a drogas ou estimulação elétrica do núcleo de Edinger-Westphal claramente declina com a idade 30-32.

Estes resultados potencialmente controversos podem sugerir uma possível perda da função do músculo ciliar concorrente com o desenvolvimento da presbiopia.

Estando de acordo com as teorias extralenticulares, Fuchs 2 pioneiramente relatou que a cicloplegia é mais efetiva em olhos jovens do que em idosos, e Duane 33 demonstrou que que a taxa de cicloplegia é mais rápida em présbitas jovens do que indivíduos não présbitas. Além disso, se o desgaste do músculo ciliar fosse significante, o seu exercício vigoroso (hipermetropia, leitura de perto prolongada) poderia reverter a presbiopia e não existe evidência de que isto ocorra 15,34.

Brown 35 sugeriu que a presbiopia está associada com a liquefação do vítreo, desde que os dois processos ocorrem aproximadamente na mesma época da vida.

Entretanto, esta teoria não explica o porque do declínio da amplitude de acomodação começar as vezes tão cedo na vida 36.

Outra possibilidade poderia dar suporte ao conceito de teorias geométricas, baseado na observação de que a localização das inserções zonulo-lenticulares relativo ao equador do cristalino e do músculo ciliar mudam com a idade, sabendo-se que o cristalino aumenta de tamanho 37.

Este tipo de alteração na geometria do segmento anterior resultaria em uma maior retenção das forças zonulares aplicadas no cristalino durante a contração do músculo ciliar, sem necessariamente requerer outras mudanças nas propriedades do segmento anterior 38-40. Estas observações, também relatadas por Brown 41 de um aumento do cristalino com a idade alterando suas curvaturas e por Farnsworth and Shyne 37 de uma mudança das inserções zonulares no cristalino, levaram a sugestão de que fatores distintos podem interagir e contribuir para a falência de um cristalino envelhecido para acomodar, permanecendo então em um estado desacomodado.

 Mais recentemente, a presbiopia foi descrita como sendo uma desordem geométrica secundária somente às alterações do tamanho e volume do cristalino. Schachar 6 propôs que a tensão zonular aumenta durante a acomodação em indivíduos jovens, em contraste com a teoria clássica de Helmholtz, descrita acima.

Ainda com relação a esta nova teoria, Schachar e cols. 8 acreditam que a presbiopia resulta de uma diminuição da tensão zonular causada pelo crescimento normal do cristalino com a idade. Este possui uma origem ectodérmica e continua a crescer durante toda a vida, tendo o seu diâmetro equatorial aumentado na ordem de 0,02 mm/ano. Entretanto, à exceção da miopia progressiva, as dimensões da esclera não mudam significamente depois dos 13 anos de idade. De acordo com o autor, a distância entre o músculo ciliar e o equador do cristalino diminui durante a vida.

Como conseqüência, as forças efetivas que o músculo ciliar poderia exercer no equador do cristalino ficaria reduzida de maneira linear com a idade. A amplitude de acomodação diminui linearmente com a idade resultando na presbiopia e isto seria uma conseqüência do crescimento normal do cristalino 8-12. De acordo com Schachar 10, a expansão cirúrgica da esclera em torno do corpo ciliar pode restaurar a acomodação, sendo então uma solução para a presbiopia.

A cirurgia de expansão escleral envolve a implantação de anéis de plástico ou arcos (semi-anéis) de plásticos (bandas expansoras esclerais) na esclera que circunda o corpo ciliar, aumentando assim o espaço entre o corpo ciliar e o equador do cristalino . Em quatro pacientes operados no nosso Departamento de Oftalmologia, nós encontramos que a visão para perto melhorou em dois pacientes, enquanto a amplitude de acomodação permaneceu estável em todos os casos após a cirurgia. Baseado nestes achados também relatados por outros autores 13, 42, nós podemos presumir que a eficácia da cirurgia de expansão escleral no tratamento da presbiopia não foi completamente determinada e existem algumas evidências de que a melhora obtida em alguns pacientes pode representar apenas uma conseqüência de aberrações lenticulares, resultando num sistema óptico multifocal, ao invés de uma verdadeira acomodação.

Este conceito de perda da acomodação com a idade, relacionada a diminuição da tensão zonular resultante do crescimento contínuo do cristalino durante a vida, ao invés de esclerose cristaliniana, foi também descrito por Weale 26 e Bito e Miranda 43. Tscherning 7 também postulou que haveria um aumento da tensão zonular durante a acomodação, como foi descrito por Schachar e mencionado acima. Entretanto, ele imaginou que o equador do cristalino se moveria posteriormente durante a acomodação, atribuindo ele a presbiopia ao alargamento do núcleo. Esta contribuição do cristalino no desenvolvimento da presbiopia foi sugerida também devido a mudanças na elasticidade capsular e na substância.

O contínuo crescimento equatorial do cristalino referido por Schachar e outros autores permanece sem respaldo experimental não sendo universalmente aceito, devido ao fato de que Farnsworth e Shyne 37 terem demonstrado que a distância do corpo ciliar à inserção zonular sobre o cristalino não se altera com a idade.

Além disto, Weale e Bito e Miranda não demonstraram nenhuma evidência experimental que pudesse reforçar suas afirmações de que a esclerose do cristalino não ocorre, e suas contenções não são consistentes com achados experimentais subsequentes 23, 25.

Embora muitas teorias sobre as causas da presbiopia terem invocado alterações na constituição do cristalino, relativamente poucos estudos mediram diretamente as alterações das propriedades ópticas do mesmo com a idade. Glasser and Campbell 15 usaram uma técnica de Laser de Varredura para medir as propriedades ópticas do cristalino em 27 olhos humanos entre 10 e 87 anos de idade. Eles encontraram que o cristalino após os 58 anos de idade não mudaria sua distância focal, quando do aumento ou diminuição de forças aplicadas sobre o complexo zonular do corpo ciliar. A teoria de Schachar pressupõe que a presbiopia é devido puramente ao crescimento do cristalino, que se mantém maleável durante toda a vida. Ao contrário da teoria de Schachar, o estudo de Glasser e Campbell fortemente apoia as clássicas teorias da presbiopia baseado no princípio de que o cristalino se torna enrijecido com a idade.

Em conclusão, os olhos envelhecem na sua estrutura e função e, embora isto seja parte do processo natural da vida, a presbiopia é considerada ainda nos dias de hoje uma condição irreversível. Entretanto, seu diagnóstico e tratamento com óculos são o mais comum, se não o mais simples dos problemas refrativos. Nós vimos que nenhum dos experimentos que tentaram explicar a perda da acomodação com a idade foi crucialmente conclusivo e alguns dos resultados poderiam ter sido influenciados pelo treinamento dos pacientes. Quando se revisa as diversas teorias propostas desde longa data, deve-se admitir que a disputa está ainda sem conclusão definitiva, mas os mecanismos do cristalino aparecem como o mais importante fator na determinação da presbiopia. Até os dias de hoje, Helmholtz criou a mais aceita teoria do mecanismo físico da acomodação. Entretanto, novos estudos ainda são necessários para dispersar várias noções incorretas sobre o desenvolvimento da presbiopia, identificando quais os fatores relacionados a idade que contribuem para a perda da capacidade de acomodação.

Referências

1. Michaels DD. Accommodation, Vergences, and Heterophorias. In: Michaels DD, eds. Visual Optics and Refraction, 3rd ed. St. Louis: C.V. Mosby, 1985: Chap. XVIII.
2. Duke-Elder S. Adjustments to the optical system: accommodation. In: Duke-Elder S, eds. System of Ophthalmology: Ophthalmic Optics and Refraction, St. Louis: C.V. Mosby, 1970; Vol. V, Chap. IV.
3. Von Helmholtz H. Physiological Optics. New York: Dover, 1962; vol.I, 143-172,375-415.
4. Fincham EF. The mechanism of accommodation. Br J Ophthalmol 1937;8(Suppl):5-80.
5. Last RJ. The eyeball. In: Wolff E, eds. The Anatomy of the Eye and Orbit, 6th ed. Philadelphia, Pa: W.B. Saunders, 1968; Chap. II.
6. Schachar RA, Cudmore DP, Black TD. Experimental support for Schachar’s hypothesis of accommodation. Ann Ophthalmol 1993;25:404-9.
7. Tscherning M. Physiologic Optics: Dioptrics of the Eye, Functions of the Retina, Ocular Movements, and Binocular Vision, 2nd ed. Philadelphia: Keystone, 1904;160-89.
8. Schachar RA, Black TD, Kash RL, Cudmore DP, Schanzlin DJ. The mechanism of accommodation and presbyopia in the primate. Ann Ophthalmol 1995;27:58-67.
9. Schachar RA, Cudmore DP, Torti R, Black TD, Huang T. A physical model demonstrating Schachar’s hypothesis of accommodation. Ann Ophthalmol 1994;26:4-9.
10. Schachar RA. Cause and treatment of presbyopia with a method for increasing the amplitude of accommodation. Ann Ophthalmol 1992;24:445-52.
11. Schachar RA, Tello C, Cudmore DP, Liebmann JM, Black TD, Ritch R. In vivo increase of the human lens equatorial diameter during accommodation. Am J Physiol 1996;271:670-6.
12. Schachar RA, Anderson DA. The mechanism of ciliary muscle function. Ann Ophthalmol 1995;27:126-32.
13. Glasser A, Kaufman PL. The mechanism of accommodation in primates. Ophthalmology 1999;106:863-72.
14. Wilson RS. Does the lens diameter increase or decrease during accommodation? Human accommodation studies: a new technique using infrared retro-illumination video photography and pixel unit measurements. Trans Am Ophthalmol Soc 1997;95:261-70.
15. Glasser A, Campbell MCW. Presbyopia and the optical changes in the human crystalline lens with age. Vision Res 1998;38:209-29.
16. Rohen JW. Scanning electron microscopic studies of the zonular apparatus in human and monkey eyes. Invest Ophthalmol Vis Sci 1979;18:133-44.
17. Milder B, Rubin ML. Progressive power lenses. Surv Ophthalmol 1987;32:189-98.
18. Eichenbaum JW, Simmons DH, Velazquez C. The correction of presbyopia: a prospective study. Ann Ophthalmol 1999;31:81-4.
19. Brown N. The change in shape and internal form of the lens of the eye on accommodation. Exp Eye Res 1973;15:441-59.
20. Fischer RF. The force of contraction of the human ciliary muscle during accommodation. J Physiol 1977;270:51-74.
21. Van Heyningen R. What happens to the human lens in cataract? Sci Am 1975;233:70-2,77-81.
22. Fincham EF. The mechanism of accommodation. Br J Ophthalmol 1937;8:5-80.
23. Fisher RF. Elastic constants of the human lens. J Physiol 1971;212:147-80.
24. Pau H, Kranz J. The increasing sclerosis of the human lens with age and its relevance to accommodation and presbyopia. Graefes Arch Clin Exp Ophthalmol 1991;229:294-6.
25. Fisher RF. Presbyopia and the changes with age in the human crystalline lens. J Physiology 1973;228:765-79.
26. Weale RA. Presbyopia. Br J Ophthalmol 1962;46:660-8.
27. Swegmark G. Studies with impedance cyclography on human ocular accommodation at different ages. Acta Ophthalmologica 1969;46:1186-206.
28. Sladin JJ, Stark L. Presbyopia: New evidence from impedance cyclography supporting the Hess-Gullstrand theory. Vision Research 1975;15:537-41.
29. Bito LZ, DeRousseau, CJ, Kaufman PL, Bito JW. Age-dependent loss of accommodative amplitude in rhesus monkeys: an animal model for presbyopia. Invest Ophthalmol Vis Sci 1982;23:23-31.
30. Neider MW, Crawford K, True B, Kaufman PL Bito LZ. Functional studies of accommodation and presbyopia in rhesus monkeys. Invest Ophthalmol Vis Sci 1986;27(S):81.
31. Bito LZ, Kaufman PL, Neider M, Miranda OC, Antal P. The dynamics of accommodation (ciliary muscle contraction, zonular relaxation and lenticular deformation) as a function of stimulus strength and age in iridectomized rhesus eyes. Invest Ophthalmol Vis Sci 1987;28(S):318.
32. Lutjen-Drecoll E, Tamm MD, Kaufman PL. Age-related loss of morphologic responses to pilocarpine in rhesus monkey ciliary muscle. Arch Ophthalmol 1988;106:1591-8.
33. Duane A. Normal values of the accommodation at all ages. JAMA 1912;59:1010-3.
34. Koretz JF, Kaufman PL, Neider MW, Goeckner PA. Accommodation and presbyopia in the human eye-aging of the anterior segment. Vision Res 1989;29:1685-92.
35. Brown NP. In the human lens in relation to cataract. CIBA Foundation Symposium 1973;19:65-78.
36. Duane A. Studies in monocular and binocular accommodation with their clinical applications. Am J Ophthalmol 1922;5:867-77.
37. Farnsworth PN, Shyne SE. Anterior zonular shifts with age. Exp Eye Res 1979;28:291-7.
38. Handelman GH, Koretz JF. A mathematical representation of lens accommodation. Vision Res 1982;22:924-7.
39. Koretz JF, Handelman GH. A model of the accommodative mechanism in the human eye. Vision Res 1982;22:917-24.
40. Koretz JF, Handelman GH. A model for accommodation in the young human eye. Vision Res 1983;23:1679-86.
41. Brown NP. The change in lens curvature with age. Exp Eye Res 1974;19:175-83.
42. Mathews S. Scleral expansion surgery does not restore accommodation in human presbyopia. Ophthalmology 1999;106:873-7.
43. Bito LZ, Miranda OC. Accommodation and presbyopia. In Reinecke RD (Ed.), Ophthalmology annual. New York: Raven Press. 1989;103-28.

Fonte: www.filadelfianet.com.br

Presbiopia

O que causa a presbiopia?

A presbiopia, usualmente chamada de vista cansada, é uma alteração natural da visão que se manifesta em todas as pessoas geralmente após os 40 anos de idade (isto também depende da atividade da pessoa): o cristalino perde a elasticidade, encurva-se de forma insuficiente e perde a capacidade de acomodação, resultando em uma crescente dificuldade para ver bem de perto.

O nome presbiopia vem da palavra grega presbus, que significa "homem velho". Em pessoas jovens, a lente do olho é macia e flexível, capaz de mudar rapidamente seu formato para focalizar a imagem. Com o tempo, um endurecimento gradual do material que compõe a lente; como resultado, a capacidade de foco diminui.

A presbiopia não é um defeito anatômico do globo, e sim uma redução fisiológica da amplitude de acomodação que faz o ponto próximo afastar-se do olho, lenta e gradativamente.

Quais são os sintomas da presbiopia?

Pessoas com presbiopia muitas vezes acham que se tornaram míopes: elas conseguem ler placas de trânsito e assistir a filmes confortavelmente, mas são incapazes de focalizar letras pequenas, como na lista telefônica, ou fazer trabalhos com detalhes, como bordado. Na verdade, a miopia é causada por um olho com formato irregular, enquanto que a presbiopia é simplesmente o resultado da perda de flexibilidade da lente.

Como se pode corrigir a presbiopia?

Pessoas que sofrem de presbiopia podem corrigir sua visão através de óculos ou lentes de contato.

Fonte: www.ribeiraopreto.sp.gov.br

Presbiopia

A presbiopia ou vista cansada é a perda natural e progressiva da capacidade do olho em focalizar objetos de perto e de longe.

A vista cansada acontece normalmente a partir dos 40 anos, porque com o passar do tempo, o cristalino (a lente interna do olho) perde a flexibilidade necessária para ajuste do foco.

Com a idade, a incidência aumenta e afeta quase 100% da população acima dos 40 anos, quando começam a aparecer os sintomas. Pessoas que sofrem com a vista cansada podem sentir desconforto nos olhos durante a leitura, impossibilidade de focalizar os objetos que se encontram mais próximos durante períodos prolongados, as letras impressas só são reconhecidas quando mantidas suficientemente afastadas dos olhos, dores de cabeça, os olhos ficam cansados e principalmente, a vista desfocada.

Até o aparecimento de novas técnicas a correção da presbiopia proporcionava ao paciente um grande desconforto; tendo nos óculos e nas lentes companheiros indispensáveis.

A correção da presbiopia vem sendo alvo de muitas pesquisas para o desenvolvimento de novas técnicas procurando atender a esta numerosa população de pacientes com presbiopia preocupada com seu conforto, imagem e qualidade de vida.

Lente Intra-Ocular Multifocal

Esta é a mais moderna e atual técnica que está sendo utilizada nos grandes centros de oftalmologia em todo o mundo. Consiste na substituição do cristalino por uma lente intra-ocular multifocal que corrige o grau de perto e longe.

A vantagem da lente intra-ocular é que o resultado é definitivo e previne o surgimento da catarata já que o cristalino foi removido. A cirurgia é feita com anestesia tópica ou local, e dura em torno de 20 minutos, sem necessidade de internação e com alta imediata.

Para maior conforto do paciente o procedimento é realizado primeiro em um olho e depois de 15 dias no outro. Para o sucesso total do tratamento é essencial que todos os cuidados pós-operatórios sejam rigorosamente seguidos.

Laser

Este procedimento substitui o que até então estava sendo usado que é o da correção da presbiopia com raio laser (Excimer Laser, PRK, Lasik). Neste tratamento, o raio modifica a curvatura da córnea e, com esta, igualmente a refração da luz. Deste modo é possível obter a monovisão, ou seja, um olho vê melhor para longe e outro para perto, o que diminui os sintomas. Dessa forma, após o tratamento, o paciente poderá deixar de usar óculos de leitura. Como o tratamento não interrompe o processo de envelhecimento o procedimento pode ter que ser repetido. Possível somente se a córnea, já submetida a um procedimento suportar um novo. Caso este mesmo paciente venha a sofrer de catarata encontrá grandes dificuldade se precisar de uma cirurgia para remoção de catarata porque a córnea já foi alterada pelo laser.

Fonte: www.cemoc.com.br

Presbiopia

A presbiopia ou “vista cansada”, é uma evolução natural da visão, que se manifesta em todas as pessoas, tendencialmente, a partir dos 40 anos.

Todos iremos senti-la, mais tarde ou mais cedo, porque os nossos olhos perdem a elasticidade à medida que envelhecem. Isto resulta numa crescente dificuldade em ver bem ao perto.

Quais as causas da presbiopia?

Um olho saudável acomoda-se perfeitamente à refração da luz, tanto ao perto como ao longe. À medida que envelhece o cristalino torna-se menos elástico ao mesmo tempo os músculos oculares perdem flexibilidade. O olho perde a capacidade de focalizar nitidamente as imagens dos ojetos próximos, porque estas se formam atrás da retina e não sobre ela. Embora o resultado desta anomalia seja semelhante ao da hipermetropia, as causas são muito diferentes.

Quais os primeiros sinais da presbiopia?

Os seus braços já não são suficientemente longos para ler o jornal? Tem dificuldade em enfiar uma agulha? Estes são os primeiros sinais da presbiopia. Outros sintomas podem ser as dores de cabeça e a fadiga ocular.

Como se compensa a presbiopia?

As lentes progressivas são as mais adequadas à compensação da presbiopia, por serem as únicas que lhe possibilitam uma visão mais aproximada da natural.

Esta lente funciona quase como o uma lente de uma máquina de filmar com zoom. A transição entre os diferentes campos de visão é suave.

Quais as razões da presbiopia? A presbiopia é uma consequência natural do envelhecimento. Todas as pessoas, mesmo as que já sofrem de outra anomalia visual, começam a sentir a sinais da presbiopia a partir dos 45 anos. Se é hipermétrope é provável que ela se manifeste mais cedo do que num miope. Esta anomalia tem tendência para se agravar com a idade mas geralmente estabiliza a partir dos 65 anos.

Fonte: www.essilor.pt

Presbiopia

CORREÇÃO ÓPTICA DA PRESBIOPIA

Existem vários métodos ópticos para corregir a presbiopía: óculos monofocais, óculos bifocais, óculos multifocais e lentes de contato.

Óculos Monofocais

Presbiopia

Trata-se de uma lente com a graduacao adecuada para ver de perto. Este tipo de óculos tem o inconveniente que, ao levantar a vista a pessoa ve embaçada (fora de foco) o que esta a uma distância intermedia, podendo produzir sensação de vertigem. Os óculos monofocais sao ideais para a realização de tarefas na visão de perto durante muito tempo consecutivo.

Óculos Bifocais

Presbiopia

É uma boa opção para quem precisa ir alternando entre a visão de perto e a de longe. Estes óculos permitem ver de perto através da parte inferior e de longe através da parte superior.

Óculos multifocais

Presbiopia

Sao óculos que permitem ver bem a cualquer distância, simplesmente variando a inclinação da cabeca.

Tem também a vantagem da estética, onde não se nota o corte entre o aumento para a visão de longe e a visão de perto, como os óculos bifocais, porém a sua construção é similar: na parte inferior da lente esta a graduação para ver de perto e na superior a de ver de longe.

A diferença é que entre uma e outra graduação variam progresivamente permitindo ver nítidamente a distâncias intermedias. Algumas pessoas podem precisar um tempo de adaptacao para utilizar-los corretamente. Estes óculos são a melhor solução cuando devem realizarse tarefas que requeiram ver bem a diferentes distâncias.

Lentes de Contato

Presbiopia

Existem lentes de contato que utilizam um sistema similar aos dos óculos multifocais, o que permite ver corretamente de longe de meia distância e de perto.

Também podem-se utilizar os lentes denominados “monovisão“. Isto consiste em se colocar uma lente de contato num só olho com a graduação necesária para ver de perto. Desse geito, esse olho utiliza-se para ver de perto e o congênere para ver de longe. Na Argentina 70% da população utiliza o primeiro método e o 30% restante o segundo. Em outros países, esta proporção não se conserva e em outros lugares se inverte.

CORREÇÃO CIRURGICA DA PRESPIOPIA

Existem diferentes métodos para a correção cirúrgica da presbiopía. Estes podem-se dividir em “extra-oculares“ e “intra-oculares“.

Técnicas extra - oculares

As extra-oculares trabalham provocando uma expansão da esclerótica, permitindo recobrar a distância perdida entre o ecuador do cristalino e o músculo ciliar.

Presbiopia

Para realizar isto existem duas técnicas: numa delas colocam-se cuatro prótesis intra-esclerais para se obter a expansão da esclerótica ( Técnica de Schachar).

A outra obtem-se a expansão com a realizacao da ablação lineal da esclerótica. Para esta técnica utiliza-se um LASER, obtendo-se ablaçoes, profundas e de tamanho predeterminadas, que esta en relação com a cuantidade de correção necessária para cada caso.

Técnicas Intra-oculares

Neste caso se utilizam lentes intra-oculares para a correção do defeito do paciente.

Fonte: www.presbicia.org

Presbiopia

Presbiopia é a perda da capacidade acomodativa dos olhos, também chamada de vista cansada, que gera dificuldade para enxergar de perto.

Normalmente surge a partir dos 40 anos. Pode ser corrigida por óculos ou lentes de contato.

Uma nova técnica cirúrgica encontra-se em fase experimental e, se aprovada, logo estará disponível para portadores de presbiopia. Outra opção para aqueles pacientes que têm grau para longe e perto é a báscula (monovisão) em que é colocada a lente de contato em um olho com o grau de longe e no outro, outra lente com o grau de perto, eliminando-se a necessidade dos óculos.

Existem teorias que dizem ser a base desse distúrbio visual a perda da capacidade de contração do músculo ciliar, associada à esclerose (endurecimento) do cristalino (lente intraocular natural), que reduz a capacidade de focar as imagens de perto com o avançar da idade.

Sintomas na presbiopia

Pessoas que utilizam a visão para trabalhos manuais como costura, artesanatos e leitura, o fazem a uma distância de cerca de 33 cm., procurando visualizar nitidamente o objeto, com um mínimo de esforço visual.

Com o passar dos anos esse esforço aumenta progressivamente, até o ponto de falência, que obriga o leitor a ir afastando o seu objeto até que se torna inviável a visualização.

Curiosidades

A presbiopia não é uma doença, é antes uma evolução natural da visão que diminui a capacidade de focagem em objetos ao perto.
40% da população mundial é présbita e esse número tende a crescer.
Homens e Mulheres são afetados - os primeiros sintomas são normalmente sentidos entre os 40 e os 50 anos.
Ninguém pode escapar à presbiopia. Não pode ser prevenida, é um fenômeno natural.
O importante é realizar regularmente exames visuais que poderão detectar também outras anomalias.
A opção mais moderna para a compensação da presbiopia são as lentes progressivas que se adaptam às necessidades de cada olho em focagem precisa a qualquer distância.
As primeiras lentes progressivas para a presbiopia, Varilux, foram criadas há mais de 40 anos. As lentes progressivas Varilux desenvolveram o conceito de utilização de uma só lente para uma visão mais precisa a todas as distâncias. A evolução tem sido constante, as últimas gerações de lentes progressivas oferecem aos usuários maior conforto, compensação atrativa e total liberdade de visão.
As lentes progressivas não são todas iguais. As lentes de qualidade permitem ao usuários ter uma compensação mais moderna e discreta para a presbiopia.

Fonte: www.oftalmojanot.com.br

Presbiopia

Um indivíduo é presbíope quando, devido à diminuição da amplitude de acomodação, surge dificuldade para ver ao perto.

O aparecimento da presbiopia é por vezes notado como um fenómeno de aparecimento relativamente rápido, mas na verdade, faz parte de um processo contínuo (perda progressiva da capacidade de acomodação) que poderá ser notada só a partir dos 40 anos porque o indivíduo apercebe-se que tem que afastar ligeiramente a leitura para ver com maior nitidez.

Causas

O mecanismo de acomodação (capacidade do olho modificar a potência óptica para ver a diferentes distâncias), é baseado na variação da forma do cristalino.

Grosso modo, o cristalino é formado por uma cápsula elástica transparente que encerra uma substância mole e deformável de elevada transparência e disposta em camadas como uma cebola. A acomodação dá-se mediante a alteração da forma do cristalino, sobretudo pelo aumento da curvatura da face anterior. A forma com que fica o cristalino no estado acomodado depende da interação entre a elasticidade da cápsula e da substancia interna.

As alterações da forma são provocadas pela contração ou relaxação do músculo ciliar, ligado ao cristalino pelas fibras da zónula, e apesar de que a capacidade de contração do músculo ciliar se vá reduzindo não parece ser esse o principal fator causador da presbiopia.

À medida que a idade avança, dão-se alterações químicas e físicas que tendem a aumentar a resistência da massa interna do cristalino e consequentemente, a capacidade da cápsula do cristalino em adoptar uma forma mais curva.

Compensação

A compensação da presbiopia pode ser feita de várias maneiras, dependendo à partida se juntamente com a presbiopia existe outra anomalia refrativa. No caso de apenas existir presbiopia, o mais fácil é ter um óculo que se coloca só para ver ao perto. Neste caso, apenas há dificuldade para perto e resulta prático o uso de um óculo do tipo meia-lua que permite mais facilmente olhar ao longe por cima das lentes.

Uma lente de adição progressiva, vulgarmente chamada apenas "lente progressiva", pode ser a escolha ideal para quem tem presbiopia e ao mesmo tempo miopia, hipermetropia ou astigmatismo pois permite ver bem a todas as distâncias. Estas lentes têm um desenho complexo mas o aparecimento de novos designs, de mais fácil adaptação leva a considerá-las atualmente como a melhor escolha, apenas sendo necessário normalmente um ou dois dias de adaptação.

Presbiopia

Na figura ao acima, (1) representa a zona central de visão de longe, (2) representa o ponto a partir do qual a potência da lente começa a aumentar e, (3) representa a zona central de visão de perto.

Note-se que as áreas azuis representam zonas de aberração onde a visão não é perfeita. No estreito corredor central, que corresponde a distancias de visão intermédias, a potência da lente é crescente de cima para baixo. Apesar desta complexidade, esta é a solução mais prática e após a necessária adaptação inicial o conforto e o rendimento são bons.

Outro tipo de lentes que podem ser usadas nestes casos, são as lentes bifocais, que são aquelas onde se nota uma diferenciação brusca entre a parte para visão de perto e o resto da lente. As lentes bifocais estão atualmente a perder terreno em relação às progressivas devido a que os novos casos de presbiopia optam mais por lentes progressivas. São sobretudo as pessoas de maior idade que começaram anteriormente a usar lentes bifocais que as continuam a preferir.

As lentes bifocais têm como desvantagens importantes:

Mudança brusca entre visão de longe e visão de perto, sem visão intermédia.
Aspecto estético da lente desfavorecido em relação às progressivas, que aparentemente são lentes normais.

Apesar destas desvantagens, podem ainda ser a melhor escolha no caso, por exemplo, de algumas profissões que exijam um largo campo de visão ao perto.

Existem vários tipos de lentes bifocais que variam na forma da parte para visão de perto, podendo ser de tipo circular, de segmento reto, curvo, executivo (neste caso toda a metade inferior da lente serve para ver ao perto),ou outras.

Existe ainda um outro tipo que são as lentes trifocais, parecidas com as bifocais, mas com mais uma pequena zona retangular, para permitir a visão a distancias intermédias.

Fonte: www.magnivisao.pt

Presbiopia

É um estado ligado à idade, no qual a visão de perto piora. A presbiopia é um processo natural, cujo resultado é a perda gradual da capacidade de acomodação.

Com o avançar dos anos o cristalino vai endurecendo e sua forma deixa-se modificar com menos facilidade. As alterações causadas pela presbiopia costumam manifestar-se por volta dos 40 anos, completando-se pelos 70.

Sintomas da Presbiopia

Os primeiros sinais de presbiopia são dificuldades na visão de perto, como por exemplo na leitura. Os textos impressos aparecem indistintos , principalmente sob má iluminação, podendo ocorrer dor de cabeça à leitura. O presbita começa a afastar o texto dos olhos e por vezes diz que seus braços não são suficientemente compridos.

Correção do Presbita Emétrope

Quando o presbita é emétrope sua visão de longe é perfeita. Já para visão de perto haverá necessidade de óculos de lentes positivas para suprir a acomdação tornada insuficiente. À proporção que a idade avança e a acomodação vai reduzindo-se, o presbita necessita de óculos para perto cada vez mais fortes.

Os óculos de perto têm a desvantagem de desfocalizar objetos distantes, pois sua potência focaliza-os adiante da retina. Para o presbita emétrope são apropriados os óculos em armação do tipo meia lua ou similar.

Correção do Presbita Hipermétrope

Muitos hipermétropes jovens não sentem necessidade de óculos, pois valem-se da própria acomodação para visão nítida. Como isto solicita parte da acomodação, estas pessoas vão necessitar de correção para presbiopia mais cedo do que o habitual, acabando ainda por precisar também de óculos para longe.

No hipermétrope que já usa óculos , os sintomas de presbiopia manifestam-se na idade habitual. Como já usam lentes positivas, vão precisar de outras mais fortes para perto. O resultado frequente é a necessidade de dois pares de óculos, para perto e longe. Uma alternativa aos dois pares são as lentes bifocais, que têm dois graus na mesma lente, ou as lentes progressivas (multifocais), que têm vários graus na mesma lente.

Correção do Presbita Míope

O míope costuma usar óculos para longe e por isso irá precisar de correção para presbiopia na idade habitual. Muitos míopes preferem tirar os óculos ao olhar para perto, pois com o aumento da presbiopia é mais difícil focalizar de perto com eles. Podendo também ser corrigido com lentes multifocais e bifocais.

Fonte: www.oticasbifocal.com.br

Presbiopia

O que é Presbiopia?

A presbiopia é considerada como a última fronteira a ser conquistada  pela oftalmologia.

De repente, mais que de repente, aparece uma crescente dificuldade para ler jornais, ver as horas no relógio ou ver a data de validade e os preços dos produtos no supermercado.

E você  não está só. Por volta dos 40 anos, é normal que todas as pessoas comecem a perder a visão para perto, como parte do processo natural de envelhecimento. Esse fenômeno é conhecido por presbiopia ou “vista cansada”. Só quem usa óculos para perto sabe o quanto é incômodo esse tipo de correção.

O que é presbiopia ou “Vista Cansada”?

No olho humano existe uma lente interna chamada cristalino (gelatinosa e cristalina como água límpida, daí o nome). A ação de um músculo interno do olho, o músculo ciliar, move o cristalino focando os objetos para perto e para longe (acomodação).

Como nossas unhas e cabelos, o cristalino cresce dentro do olho durante toda a vida e, após a idade dos 40 anos, este crescimento atinge níveis que impossibilitam sua completa acomodação, estabelecendo uma presbiopia que avança lentamente, até atingir seu maior grau por volta dos 55 anos de idade.

Tratamento para Presbiopia

I – Tratamentos Convencionais não- cirúrgicos:

1- Óculos com lente para perto (meia armação), lentes bifocais ou multifocais.
2- 
Lentes de contato, bifocais ou multifocais.
3- Mono-Visão:
Correção de um olho para longe e o outro para perto. (com lentes de contato).

II – Tratamentos Cirúrgicos:

Já existem alguns tratamentos aprovados pelo FDA (Food and Drug Administration), instituto americano de maior credibilidade no mundo, para o controle de novas drogas e tratamentos aplicados em seres humanos, e mesmo tendo uma alta satisfação entre os pacientes operados NÃO SÃO UNANIMIDADE ENTE O MÉDICO OFTALMOLOGISTAS, E HÁ UMA CORRENTE QUE PREFERE ESPERAR A EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA OU O APARECIMENTO DE OUTRAS TÉCNICAS PARA INDICAR A CIRURGIA PARA PRESBIOPIA.

CK  (Ceratoplastia Condutiva)

Idealizada por Dr. Fyodorov  em Moscow, em 1981, esta técnica evoluiu por duas décadas até atingir o nível de precisão atual, para aprovação pelo FDA em abril de 2002 para hipermetropia e em março de 2004 para presbiopia. Este procedimento já beneficiou mais de 150 mil pessoas nos EUA e Europa.

Como se dá a correção da Visão de Perto?

Esta correção é chamada de mono-visão balanceada, pois a cirurgia é realizada apenas em um olho (olho não dominante), que adquire a capacidade de enxergar para perto com pouca interferência na visão de longe.

Quem é bom candidato para esta cirurgia?

1- Présbitas jovens, pessoas acima de 40 anos de idade com dificuldade na visão de perto e pouca ou nenhuma dificuldade para longe.
2- Pessoas que se submeteram á cirurgia refrativa a laser (PRK ou LASIK) e estão com dificuldade para perto.
3- Pessoas que se submetem à cirurgia de catarata com implante de lente intra-ocular.

Como é feita a cirurgia?

Após o exame criterioso, com testes e entrevistas com seu cirurgião oftalmologista, a cirurgia é agendada e realizada sob o efeito de colírio anestésico. A aplicação da energia de rádio-frequência é feita na periferia da córnea através de uma micro-sonda da espessura de um fio de cabelo.

Que tipo de Visão adquire o operado?

O operado adquire uma visão útil para leitura social (cardápios, preços em supermercados, rótulos das embalagens, maquiagem no espelho e em alguns casos jornais). Esta visão é chamada de visão balanceada social útil, porque o cérebro faz um equilíbrio de balanceamento, compensando a alternância de um olho para perto e o outro para longe.

Observação 1: Estatisticamente 89% dos operados estão satisfeitos ou muito satisfeitos com o resultado.*
Observação 2:
Leituras prolongadas de letras pequenas, como Bíblia e bula de remédio, poderão pedir o auxílio de óculos.

Quantos dias fica-se afastado do trabalho?

O retorno ao trabalho pode acontecer entre 24 a 72 horas após a cirurgia, observadas algumas restrições e cuidados como o uso de colírios, etc.

Substituição do Cristalino

Esta técnica é indicada para pessoas com idade acima de 50 anos que apresentem algum grau de catarata. O cristalino é substituído por uma lente moderna que corrige a visão para longe e para perto.

Observação 1: Estatisticamente  98% dos operados com esta técnica estão satisfeitos ou muito satisfeitos com os resultados.*
Observação 2:
Após o implante desta lente, é possível a necessidade de pequenas ajustes de grau residual com Excimer Laser.

*Segundo protocolo submetido e aprovado pelo FDA, nos EUA.

Fonte: cristianogazzinelli.site.med.br

Presbiopia

É a redução gradual da visão de perto, geralmente percebida a partir dos 40 anos, e está diretamente relacionada com as necessidades de esforços visuais de cada indivíduo.

Causas

Existem teorias que dizem ser a base desse distúrbio visual a perda da capacidade de contração do músculo ciliar, associada à esclerose (endurecimento) do cristalino (lente intraocular natural), que reduz a capacidade de focar as imagens de perto com o avançar da idade.

Sinais e Sintomas

Pessoas que utilizam a visão para trabalhos manuais como costura, artesanatos e leitura, o fazem a uma distância de cerca de 33 cm., procurando visualizar nitidamente o objeto, com um mínimo de esforço visual.

Com o passar dos anos esse esforço aumenta progressivamente, até o ponto de falência, que obriga o leitor a ir afastando o seu objeto até que se torna inviável a visualização.

Tratamento

Para a correção da presbiopia é necessário o uso de lentes positivas, bifocais ou progressivas, com a finalidade de convergir as imagens até a retina.

Fonte: www.dayhorc.com.br

Presbiopia

O que é?

A presbiopia, conhecida como "vista cansada", é o distúrbio presente nas pessoas a partir da quarta década de vida (40-45 anos) passando a não permitir mais a visão nítida de objetos ou imagens situadas próximas aos olhos. Uma forma de observar que uma determinada pessoa já possui alguma presbiopia é notar que ela afasta um livro dos olhos ao ler.

Presbiopia

Invariavelmente, todas as pessoas, mais cedo ou mais tarde, acabam adquirindo a presbiopia. Alguns míopes, mesmo após a faixa etária esperada, podem enxergar bem de perto se estiverem SEM os seu óculos ou lentes de contato.

Existem algumas teorias para que a presbiopia ocorra. Alguns acreditam que a presbiopia é devida à esclerose do cristalino, outros que é devida ao enfraquecimento do músculo ciliar (músculo esse que modifica a forma do cristalino e permite o foco dos objetos próximos), e ainda, uma teoria mais recente (1992 - Ronald Schachar) afirma que o cristalino cresce durante toda a vida, o que diminui o espaço entre ele e o músculo ciliar (desta forma, mesmo contraindo-se normalmente, este músculo - por falta deste espaço - não consegue mais atuar sobre o cristalino).

Presbiopia
No olho normal, o músculo ciliar contrai ou expande o cristalino, permitindo a alteração do foco dos objetos próximos

Presbiopia
Na presbiopia, seja pela esclerose do cristalino, pelo crescimento contínuo
do cristalino, ou pela inatividade do músculo ciliar, a alteração de foco não ocorre

Tratamento

Os recursos tradicionais apontam para o uso obrigatório de óculos para perto, do tipo meia-armação, bifocais ou multifocais.

Um pouco mais avançado, encontramos as lentes de contato bifocais e a técnica da monovisão, em que um olho recebe a lente para visão de longe e o outro para perto, mas não são todas as pessoas que se adaptam a essas soluções.

Correções cirúrgicas

Uma nova cirurgia está sendo desenvolvida. Nela a esclera é expandida em torno do cristalino, visando gerar mais espaço para que o músculo ciliar possa voltar a realizar seu trabalho de alternância de foco com o cristalino. Essa cirurgia no entanto ainda é muito nova, e melhores resultados ainda estão sendo esperados.

Enquanto isso, o Dr. Edigezir está fazendo o implante de lente multifocal em pacientes na faixa dos 55 anos.

Uma outra alternativa utilizada pelo Dr. Edigezir, que tem demonstrado grande sucesso entre alguns de seus pacientes com presbiopia, é deixar uma miopia muito leve em um dos olhos que passou por cirurgia LASIK - seja para correção de miopia, hipermetropia, ou astigmatismo. A a explicação é simples. O olho que recebeu correção total, vai apresentar presbiopia, mas o olho que ganhou uma leve miopia é capaz de continuar vendo os detalhes bem próximos. Passado algum tempo da cirurgia, o cérebro do paciente vai aprendendo qual olho deve ser o dominante - de acordo com a distância do objeto a ser focado. A cada dia esse processo passa a acontecer numa velocidade tão grande que a pessoa não mais percebe que a visão de um olho é diferente do outro.

Presbiopia
O olho direito (vermelho - com leve miopia)
até certa distância possui boa visão. Já o olho esquerdo (azul - com correção total, mas com presbiopia) a partir dessa distância é que começa a focar os objetos e detalhes. O cérebro decide qual é o olho dominante para o melhor foco a cada instante

Fonte: www.clinicaharleystreet.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal