Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home   Voltar

Ascaridíase

 

 

Ascaridíase
Ascaris lumbricoides

A ascaridíase (asquelminte), vulgarmente denominado lombriga, cujo corpo é alongado e cilíndrico, com as extremidades afiladas. O comprimento varia entre 15 e 35 centímetros.

Os machos apresentam a cauda enrolada e são menores que as fêmeas. A dimensão do corpo destes vermes varia de acordo com o seu número e intensidade do parasitismo. O número pode chegar a 600 exemplares num mesmo hospedeiro. é causada pelo Ascaris lumbricoides, verme nematelminte

Sua cutícula é lisa, brilhante, de coloração branco-amarela. Na porção anterior, fica a boca ladeada por três grandes lábios. A transmissão desta verminose dá-se por ingestão de ovos embrionados, através de mãos sujas de terra, por alimentos ou água contaminados. Cada fêmea põe mais de 200 mil ovos por dia.

Portanto, se considerarmos principalmente, as condições precárias de higiene e saneamento, é fácil perceber a facilidade de se contrair a doença. Ao evacuar no solo e ao ingerir alimentos e água contaminados, as crianças expõem-se com maior facilidade, desrespeitando, assim, as mais elementares regras de higiene. São consideradas, portanto, o grupo mais parasitado por este verme.

Ciclo Evolutivo

Os ovos ingeridos liberam larvas que rompem a parede intestinal, caindo na\par circulação, iniciando um percurso pelo fígado, coração e pulmões.\par Dos pulmões, as larvas passam para as vias respiratórias (brônquios, traquéias,\par laringe) e depois para o tubo digestivo.No tubo digestivo, evoluem para as formas\par adultas que ser reproduzem, reiniciando o ciclo.O único hospedeiro é o homem.

Na fase pulmonar, os principais sintomas são: dificuldade respiratória, tosse seca,\par febre e irritação brônquica.Na fase digestiva, ocorrem desde flatulência, dor\par abdominal, cólica, digestão difícil, náusea, vômito, diarréia e até presença de\par vermes nas fezes.Podem ocorrer sintomas alérgicos, como dermatoses, rinites e\par conjuntivites.

Complicações mais graves podem ocorrer, como a pneumonia,\par abscesso hepático e choque anafilático. Nas parasitoses maciças em crianças, pode\par ocorrer a oclusão intestinal e até a morte. Há outras espécies de lombrigas, como a\par Ascaris suum, que parasita o porco.

As principais medidas profiláticas estão relacionadas à higiene, tanto pessoal\par quanto dos alimentos e da água. No tratamento, o pamoato de pirantel e\par mebendazol são muito eficazes e possuem os menores efeitos secundários. Como\par atuam apenas na luz intestinal, não possuem efeitos sobre as larvas, podendo ser\par necessária a administração de corticosteróides.

Fonte: semect.files.wordpress.com

Ascaridíase

Ascaridíase é uma infecção com o parasita da lombriga Ascaris lumbricoides.

Causas

As pessoas ficam infectadas por ascaridíase por consumir alimentos ou bebidas contaminados com ovos da lombriga.

Ascaridíase é a infecção por parasitas intestinais mais comuns. Ela está relacionada à falta de higiene pessoal e saneamento. Pessoas que vivem em lugares onde fezes humanas são usadas como adubo também estão em risco desta doença.

Uma vez consumido, a eclosão dos ovos e vermes libertar imaturos chamados larvas dentro do intestino delgado. Em poucos dias, as larvas em seguida mover-se através da corrente sanguínea para os pulmões. Eles viajam através grandes vias aéreas dos pulmões, e são engolidas volta para dentro do estômago e alcançar o intestino delgado.

Como o movimento das larvas através dos pulmões que pode causar uma forma rara de pneumonia chamada pneumonia eosinofílica. Uma vez que eles estão de volta no intestino delgado, as larvas amadurecem em vermes adultos. Os vermes adultos vivem no intestino delgado, onde eles põem ovos que estão presentes nas fezes. Eles podem viver 10-24 meses.

Estima-se que 1 bilhão de pessoas infectadas em todo o mundo. Ascaridíase ocorre em pessoas de todas as idades, embora as crianças são afetadas mais severamente do que os adultos.

Sintomas

Na maioria das vezes, não há nenhum sintoma.

Se houver sintomas, podem incluir:

Expectoração com sangue
Tosse
Baixo grau de febre
Passando vermes nas fezes
Falta de ar
Erupção cutânea
Dor de estômago
Vermes vómitos
Chiado
vermes que saem através do nariz ou da boca

Tratamento

O tratamento inclui medicamentos que paralisam ou matar vermes parasitas intestinais, como o albendazol ou mebendazol. Estes medicamentos não deve ser utilizado para pacientes grávidas. Pamoato de pirantel é o medicamento preferido para pacientes grávidas.

Se houver um bloqueio do intestino causadas por um grande número de vermes, endoscopia pode ser usado para remover os vermes. Em casos raros, a cirurgia é necessária.

Os pacientes devem ser verificados novamente em 3 meses. Trata-se de examinar as fezes para verificar se há ovos de vermes. Se os ovos estão presentes, o tratamento deve ser administrado novamente.

Prognóstico

A maioria das pessoas se recuperam dos sintomas da infecção, mesmo sem tratamento. Mas eles podem continuar a realizar os vermes em seu corpo.

Complicações podem ser causadas por vermes adultos que se movem para certos órgãos como o ducto biliar, pâncreas, ou apêndice. Se os vermes multiplicar, eles podem obstruir o intestino.

Fonte: www.nlm.nih.gov

Ascaridíase

A ascaridíase é causada pelo Ascaris lumbricoides, verme nematelminte (asquelminte), vulgarmente denominado lombriga, cujo corpo é alongado e cilíndrico, com as extremidades afiladas.

O comprimento varia entre 15 e 35 centímetros. Os machos apresentam a cauda enrolada e são menores que as fêmeas. A dimensão do corpo destes vermes varia de acordo com o seu número e intensidade do parasitismo. O número pode chegar a 600 exemplares num mesmo hospedeiro.

Sua cutícula é lisa, brilhante, de coloração branco-amarela. Na porção anterior, fica a boca ladeada por três grandes lábios.

A transmissão desta verminose dá-se por ingestão de ovos embrionados, através de mãos sujas de terra, por alimentos ou água contaminados.

Cada fêmea põe mais de 200 mil ovos por dia. Portanto, se considerarmos o grande número de pessoas portadoras da verminose e, principalmente, as condições precárias de higiene e saneamento, é fácil perceber a facilidade de se contrair a doença.

Ao evacuar no solo e ao ingerir alimentos e água contaminados, as crianças expõem-se com maior facilidade, desrespeitando, assim, as mais elementares regras de higiene. São consideradas, portanto, o grupo mais parasitado por este verme.

Ciclo Evolutivo

Os ovos ingeridos liberam larvas que rompem a parede intestinal, caindo na circulação, iniciando um percurso pelo fígado, coração e pulmões.

Dos pulmões, as larvas passam para as vias respiratórias (brônquios, traquéias, laringe) e depois para o tubo digestivo.

No tubo digestivo, evoluem para as formas adultas que ser reproduzem, reiniciando o ciclo.
O único hospedeiro é o homem.

Sintomas

Na fase pulmonar, os principais sintomas são: dificuldade respiratória, tosse seca, febre e irritação brônquica.

Na fase digestiva, ocorrem desde flatulência, dor abdominal, cólica, digestão difícil, náusea, vômito, diarréia e até presença de vermes nas fezes.

Podem ocorrer sintomas alérgicos, como dermatoses, rinites e conjuntivites. Complicações mais graves podem ocorrer, como a pneumonia, abscesso hepático e choque anafilático. Nas parasitoses maciças em crianças, pode ocorrer a oclusão intestinal e até a morte.

Há outras espécies de lombrigas, como a Ascaris suum, que parasita o porco.

Profilaxia e Tratamento

As principais medidas profiláticas estão relacionadas à higiene, tanto pessoal quanto dos alimentos e da água.

No tratamento, o pamoato de pirantel e mebendazol são muito eficazes e possuem os menores efeitos secundários. Como atuam apenas na luz intestinal, não possuem efeitos sobre as larvas, podendo ser necessária a administração de corticosteróides.

Fonte: estacaodoconhecimento.com.br

Ascaridíase

Ascaris lumbricoides - Muito comum: Lombriga

  • A contaminação pelo Ascaris lumbricoides ocorre através da ingestão de água e alimentos contaminados com ovo embrionado. No interior do intestino delgado (duodeno) ocorre eclosão do ovo com liberação de uma larva denominada Rabiditóide
  • Essa larva passa pela corrente sangüínea, para o fígado, coração e pulmão
  • No interior dos pulmões as larvas Rabiditóide perfuram os alvéolos pulmonares sofrendo mudas, se tornando resistentes e maiores, provocando irritação
  • Dos pulmões as larvas passam para o Intestino delgado ( irritam o sistema respiratório e digestivo) transformando-se em vermes adultos
  • No interior do intestino delgado ocorre reprodução sexuada com liberação de ovos (milhares) que serão eliminados através das fezes
  • Profilaxia

    Lavar bem as verduras

    Tratar os doentes

    Saneamento básico

    Fonte: www.estudanet.hpg.ig.com.br

    Ascaridíase

    Morfologia

    O Ascaris lumbricoides, popularmente conhecido como lombriga, é o maior nematódio intestinal do homem.

    Maior nematódio intestinal do homem

    A doença causada pelo Ascaris é a Ascaridíase. O Ascaris adulto tem coloração amarelo-rosada, três lábios em sua extremidade anterior, tem uma cutícula lisa e duas linhas brancas lateralmente distribuídas pelo corpo. O verme macho adulto mede aproximadamente 15-30 cm de comprimento, a fêmea mede aproximadamente 35-40 cm de comprimento.

    Para distinguir a fêmea do macho, além do tamanho, pode-se observar na fêmea, na sua extremidade posterior, uma forma cônica e retilínea, ao passo que o macho apresenta essa extremidade curva ventralmente com dois espículos laterais curvos.

    Ascaridíase
    Ascaris lumbricoides - Distinção entre a fêmea e o macho

    Quando adulto, o verme vive na luz do intestino delgado, onde se alimenta do conteúdo intestinal do homem e pode se locomover facilmente sem se fixar à mucosa intestinal. Vivem no intestino por cerca de seis meses e põem em média cerca de 200 mil ovos. No intestino, podem-se abrigar cerca de 500-600 vermes de uma só vez.

    Os ovos são arredondados ou ovais, de coloração marrom, pois absorvem pigmentos biliares das fezes. Esses ovos não são infectantes para o homem.

    Ciclo Biológico

    Os ovos fecundados são eliminados pelas fezes, desenvolvem-se à temperatura de 30-35o C, umidade e oxigênio. Nessas condições, o ovo pode desenvolver-se em 12 dias, formando primeiramente em seu interior, uma larva rabditóide que, em uma semana, sofre mutação para os estágios de segunda e terceira larvas rabditóides, respectivamente. Esta terceira larva rabditóide é a larva dita infectante.

    O homem infecta-se ingerindo água contaminada ou alimentos crus infectados com a mesma. As crianças podem se contaminar através do solo, pelo fato de levarem as mãos à boca. Os ovos ingeridos atravessam o estômago e as larvas vão ser liberadas no intestino delgado. Atravessam em seguida a parede do intestino e caem na circulação sangüínea, onde vão cair no coração direito e em seguida, pulmões, onde sofrem novas mudas e depois migram pela árvore brônquica e são ou eliminados pela saliva ou deglutidos. Quando deglutidos, vão para o intestino e provocam a infecção, atingindo a maturidade e sendo capazes de reiniciar o seu ciclo.

    Epidemiologia

    A ascaridíase é uma das helmintoses mais comuns no Brasil senão a helmintose mais comum, bem como em todo o mundo, principalmente nas regiões subtropicais do planeta. Nas sociedades de baixo nível socioeconômico, sua prevalência facilmente ultrapassa os 80%.

    Manifestações clínicas

    No estágio larvário, dificilmente provocam algum sintoma relato, podendo ser comuns manifestações intestinais pois as larvas migram para veia porta. Na sua passagem pelos pulmões, podem provocar, infecções moderadas que por vezes podem evoluir e levam à tosse, febre, dispnéia, dor torácica, roncos, sibilos e moderada ou intensa eosinofilia. O diagnóstico é dado por amostragem de larvas no escarro e, na criança pequena, pelo lavado gástrico. A cura geralmente é espontânea em até duas semanas.

    Na sua migração pelo fígado, as larvas podem provocar, embora sem comprovação, hepatomegalia, acompanhadas de eosinofilia intensa (94%), hiperglobulinemia, mal-estar geral e febre persistente e moderada.

    No estágio adulto, a ascaridíase intestinal geralmente é bem tolerada, suas principais manifestações são acentuação da lordose lombar e abdome proeminente, pois podem aumentar o conteúdo abdominal e interferir na digestão e absorção entéricas. O desconforto abdominal se manifesta por dor em cólica podendo ocorrer náuseas. A desnutrição também está relacionada embora ainda não comprovada, por ação de utilização do nitrogênio e gordura, tolerância à lactose e utilização de vitamina A pelo verme.

    Precedendo esse quadro, pode ocorrer também a eliminação espontânea do verme pela boca, narinas e orifício retal. Quando o quadro de obstrução intestinal persistir por muito tempo, pode ocorrer isquemia intestinal com conseqüente necrose.

    Diagnóstico

    É feito pela presença do parasita nas fezes, ou no material vomitado. Ao Raio-X podem ser visíveis após ingestão de contraste, os parasitas com seu trato alimentar contrastado, ou como manchas alongadas. A eosinofilia é achado freqüente na infecção por Ascaris.

    Tratamento

    O tratamento deve ser feito de imediato, mesmo com pequeno número de vermes, pois sua migração pode aparecer de fato.

    Apenas nos casos de ascaridíase intestinal, as drogas mais indicadas são: os sais de piperazina, na dose de 75-100 mg/kg de peso, sais de tetramisol ou levamisol, nas doses de 80mg para crianças e 150mg para adultos, pamoato de pirantel, na dose de 10mg/kg/dia e o mebendazol, na dose de 100mg via oral cada 12 horas durante três dias consecutivos.

    Profilaxia

    Os principais meios de prevenção são a educação para a saúde, de modo a evitar a contaminação no solo com fezes, e contato direto com solo, melhoria dos hábitos higiênicos no preparo de alimentos e seu manuseio, especialmente vegetais.

    O saneamento básico, a desinfecção e o tratamento são os principais meios de erradicar a doença. Deve-se usar latrinas, fossas secas e outros dispositivos para o recolhimento de dejetos, especialmente nas comunidades com precárias condições socioeconômicas. A desinfecção do solo também deve ser tentada, especialmente galinheiros e fazendas, além da desinfecção de alimentos, o que é mais dificultado, pois geralmente utilizamo-nos da fervura, o que por si só não seria possível para completa desinfecção.

    Fonte: www2.inf.furb.br

    Ascaridíase

    É um nematódeo, considerado o mais "cosmopolita" dos parasitos humanos. É a décima sétima causa mundial de morte.

    O macho adulto (1) pode atingir entre quinze a vinte e cinco centímetros, e a fêmea (2) de vinte a quarenta centímetros. Uma vez fecundadas, as fêmeas produzem ovos (3) que são liberados com as fezes para o ambiente.

    No ambiente, ocorre a maturação das larvas no interior do ovo. O desenvolvimento da larva completa-se em até três semanas, quando o ovo passa a ser infectante para o homem. Segue-se, então, a ingestão dos ovos pelo hospedeiro.

    No interior do intestino, as larvas rompem os ovos e penetram na mucosa, seguindo dois caminhos: circulação sanguínea ou migração visceral, ambos até os pulmões.

    Nos pulmões provocam lesões que podem causar manifestações respiratórias, além de febre e eosinofilia (Síndrome de Loefller); dos pulmões, as larvas desenvolvidas migram até a orofaringe para a deglutição. No trato gastrointestinal, localizam-se principalmente no jejuno, onde há acasalamento de adultos e ovipostura . O período pré-patente é de cinco a sete semanas.

    Nos pulmões, ocorre bronquite e pneumonite, acompanhada de infiltração eosinofílica, pela presença das larvas jovens em migração. No TGI, pode haver obstrução, torção intestinal e localizações erráticas, como no apêndice. Os sinais e sintomas incluem os da Síndrome de Loeffler, astenia, prurido e coriza nasal, emagrecimento, dor e aumento do volume abdominal.

    Hábitos de higiene e preparação adequada de alimentos (limpeza, fervura, cozimento) são medidas de prevenção.

    Ascaridíase
    Fêmea de Ascaris lumbricoides

    Fonte: www.ufrgs.br

    Ascaridíase

    Agente etiológico: Ascaris lumbricoides

    Sinonímias: Lombriga, bicha.

    Ascaridíase
    Ascaris lumbricoides

    Classificação taxonômica

    Família: Ascarididae
    Subfamília:
    Ascaridinae
    Gênero:
    Ascaris
    Espécie: A. lumbricoides

    Considerações gerais

    Ampla distribuição geográfica, atingindo quase todos os países do mundo.
    Cerca de 1 bilhão de pessoas infectadas em todo o mundo (OMS,1987).
    Principalmente em crianças menores de 12 anos tanto de zona rural quanto de urbana.

    MORFOLOGIA

    Vermes longos, robustos e cilíndricos.
    Possui extremidades afiladas.

    Macho:

    Mede cerca de 20 a 30 cm de comprimento
    Possui cor leitosa
    Extremidade anterior: boca ou vestíbulo bucal com 3 fortes lábios com serrilha de dentículos e sem interlábios, contornando-a.
    Esôfago musculoso
    Intestino retilíneo
    Reto (próximo à extremidade posterior)
    Testículo filiforme e enovelado, no qual se diferencia em canal deferente que se continua pelo canal ejaculador, que se abre na cloaca, localizada próximo á extremidade posterior.
    2 espículos iguais (que funcionam como órgãos acessórios da cópula).
    Ausência de gubernáculo
    Extremidade posterior fortemente encurvada para a face ventral, diferenciando-o facilmente da fêmea.
    Muitas papilas pré-cloacais e algumas pós-cloacais, na cauda.

    Fêmea:

    Mede cerca de 30 a 40 cm (maior que o macho).
    Mais robusta que o macho.
    Cor leitosa
    Aparelho digestivo semelhante ao do macho.
    2 ovários filiformes e enovelados os quais se continuam como ovidutos (que se diferenciam em úteros que se unirão em uma órgão genital feminino exteriorizada pela vulva que fica no terço anterior do parasito).
    Extremidade posterior retilínea (diferentemente do macho).

    Ovos:

    Mede cerca de 50 micrômetros de diâmetro (grandes e ovais)

    Cor castanha (por causa do pigmento das fezes).

    Cápsula espessa:

    Membrana externa: mamilonada (típica). É secretada pela parede do útero e é formada por mucopolissacarídeos.

    Membrana média: formada por quitina e proteína.

    Membrana interna: forma da de 25% de proteínas e 75% de lipídios, sendo, apesar de delgada, impermeável à água e oferecendo desta forma grande resistência do ovo ás condições adversas do meio ambiente.

    Possui uma massa de células germinativas internamente.

    Os ovos férteis podem não ter membrana mamilonada.

    Os ovos inférteis são mais alongados e possuem membrana mamilonada mais delgada e o citoplasma mais granuloso.

    HABITAT

    Intestino delgado humano (principalmente jejuno e íleo), podendo estar fixado à mucosa intestinal através dos lábios ou em migração pela luz intestinal.

    CICLO BIOLÓGICO

    Monoxênico

    A fêmea fecundada ovipõem a cada dia até cerca de 200.000 ovos não embrionados que, através das fezes, alcança o ambiente. Em condições adequadas (25-30ºC, 70% de umidade e oxigênio) estes ovos tornam-se embrionados em 15dias.

    Dentro do ovo forma-se a larva de 1º estádio (L1) que é rabditóide (esôfago com duas dilatações com uma constricção entre elas). Com mais ou menos 1 semana, L1 sofre muda transformando-se em L2 e, após outra muda, surge L3 que é a forma infectante e que apresenta esôfago tipicamente filarióide (esôfago retilíneo). L3 ainda encontra-se dentro do ovo.

    O ovo neste estádio (L3) fica no solo por vários meses até ser ingerido pelo hospedeiro. Ao ser ingerido o ovo alcança o intestino delgado onde haverá a eclosão que depende de vários fatores para ter sucesso, tais como: PH, temperatura, agentes redutores, sais e, principalmente, presença de certa concentração de CO2. Ao nível do ceco, as L3 liberadas penetram na parede intestinal, alcançam os vasos linfáticos e veias e, 18-24 horas após a infecção, invadem o fígado.

    Através da veia cava superior ou inferior chegam ao coração (2-3 dias) e deste passam para o pulmão (4-5 dias) ? fase pulmonar ou “ciclo de Looss”. As larvas sofrem muda para L4 cerca de 8 dias após a infecção, rompem os capilares e caem nos alvéolos, onde sofre muda para L5.

    Passam pelos brônquios e traquéia chegando à faringe onde poderão ser deglutidas ou expectoradas. Se deglutidas, fixam-se no intestino delgado onde surgirá adultos jovens 20 a 30 dias após infecção. Em 60 dias atingem maturidade sexual e são encontrados ovos nas fezes do hospedeiro.

    TRANSMISSÃO

    Ingestão de alimentos ou água contaminados com ovos contendo a forma L3 (infectante).

    PATOGENIA

    Por larvas:

    Infecções de baixa intensidade: normalmente sem alteração.

    Infecções maciças: lesões hepáticas (pontos hemorrágicos e necróticos que depois se tornam fibrosados) e pulmonares (edemaciação dos alvéolos com infiltrado parenquimatoso eosinofílico, manifestações alérgicas, febre, bronquite e pneumonia ? síndrome de Löeffler, tosse produtiva podendo ser saguinolenta e ter larvas.

    Por vermes adultos:

    Infecções de baixa intensidade: normalmente sem alteração.

    Infecções médias e maciças:

    Ação tóxica: reação entre antígenos parasitários e anticorpos alergizantes do hospedeiro, causando edema, urticária, convulsões epileptiformes etc

    Ação expoliadora: consumo de grande quantidade de proteínas, carboidratos, lipídios e vitaminas A e C por parte dos vermes, levando o hospedeiro, principalmente crianças, à subnutrição e ao depauperamento físico e mental

    Ação mecânica: podem enovelar-se na luz intestinal causando obstrução

    Localização ectópica:

    No apêndice cecal = apendicite aguda

    No canal colédoco = obstrução deste

    No canal Wirsung = pancreatite aguda.

    DIAGNÓSTICO

    Clínico: difícil até mesmo nas formas sintomáticas devido à semelhança do quadro clínico com outras parasitoses.

    Laboratorial: pesquisa de ovos nas fezes (técnica de sedimentação espontânea ou por centrifugação, método de Kato-Katz).

    EPIDEMIOLOGIA

    Geralmente associada a fatores sociais, econômicos e culturais.

    30% da população mundial (mais de 150 países e territórios).

    70-90% das crianças entre um e dez anos (estas levam a mão à boca constantemente).

    Fatores que interferem na alta prevalência do parasitismo:

    Grande produção de ovos pela fêmea

    Resistência do ovo infectante no ambiente por vários meses

    Grande concentração de pessoas vivendo em condições precárias de saneamento básico

    Grande quantidade de ovos no peridomicílio (por causa do hábito de crianças defecarem aí)

    Temperatura média anual e umidade ambiental elevadas

    Dispersão dos ovos através de chuvas, ventos e insetos.

    PROFILAXIA

    Educação sanitária

    Construção de fossas sépticas

    Lavar as mãos antes de tocar em alimentos

    Tratamento em massa da população periodicamente (após exame coproscópico), durante 3 anos consecutivos

    Proteção dos alimentos contra insetos.

    TRATAMENTO

    Principais:

    Piperazina

    Mebendazol

    Albendazol

    Ivermetina

    Larissa Grazyella Meira Cardoso de Castro

    Fonte: www.medstudents.com.br

    Ascaridíase

    A ascaridíase é uma infecção causada por Ascaris lumbricoides, um verme nemátodo intestinal.

    A infecção existe em todo o mundo, mas é mais frequente nas zonas quentes com deficientes condições sanitárias, onde persiste muito tempo devido à defecação descontrolada das crianças.

    O ciclo de vida do parasita Ascaris é parecido com o do parasita que causa a tricuríase, com excepção de que as larvas também migram para os pulmões.

    Uma vez que tenha amadurecido, a larva migra pela parede do intestino delgado e é transportada pelos vasos linfáticos e pela corrente sanguínea para os pulmões.

    Dali passa para os sacos aéreos (alvéolos), sobe pelas vias respiratórias e é engolida. A larva amadurece no intestino delgado, onde permanece como forma adulta. Os vermes adultos oscilam entre 15 cm e 50 cm de comprimento e de 2,5 mm a 5 mm de diâmetro.

    A sintomatologia pode surgir devido à migração das larvas através do intestino e pela presença do verme adulto no intestino.

    Sintomas e diagnóstico

    A migração das larvas através dos pulmões pode provocar febre, tosse e respiração ofegante.

    Uma infecção intestinal grave pode causar espasmos abdominais e, por vezes, obstrução intestinal.

    A absorção deficiente de nutrientes pode ser causada por uma grande concentração de vermes.

    As formas adultas obstruem, por vezes, o apêndice, o trato biliar ou o canal pancreático.

    A infecção com o verme adulto costuma ser diagnosticada quando se identificam ovos numa amostra de fezes.

    Em certos casos, as análises de laboratório revelam a presença dos mesmos nas fezes ou no vómito ou de larvas na expectoração.

    Pode aumentar no sangue o número de eosinófilos, que são uma variedade de glóbulos brancos.

    Numa radiografia do tórax podem-se observar sinais da migração larvar.

    Prevenção e tratamento

    A prevenção consiste em dispor de condições sanitárias adequadas e evitar ingerir verduras que não estejam devidamente lavadas.

    O tratamento baseia-se em tomar pamoato de pirantel ou mebendazol.

    Entretanto, o mebendazol não deve ser administrado às mulheres grávidas devido aos seus efeitos potencialmente prejudiciais para o feto.

    Fonte: www.manualmerck.net

    Ascaridíase

    A ascaridíase é uma doença causada por um parasita da família dos helmintas chamado Ascaris Lumbricoides e vulgarmente conhecido como lombriga. A lombriga tem um corpo cilíndrico, de 20 a 40 centímetros de comprimento e cor branca amarelada.

    Como é característico dos parasitas desenvolve-se e vive dentro do corpo de um hospedeiro (o homem), à custa do qual se alimenta.

    Como é que se apanham lombrigas?

    Os ovos das lombrigas encontram-se na terra onde são depositados através das fezes contaminadas. A entrada dos ovos no aparelho digestivo faz-se através das mãos sujas por terra contaminada, pela ingestão de verduras mal lavadas contendo resíduos de terra ou ainda transportados pelas moscas para os alimentos.

    Quando o ovo chega ao intestino rebenta e liberta a lavra que se encontra no seu interior e que vai, transportada na corrente sanguínea, passar para os pulmões, a laringe, voltando a entrar no aparelho digestivo através da faringe. É no aparelho digestivo que a lombriga se desenvolve e cresce, até atingir a idade adulta.

    Quem come muitos doces tem maior risco de apanhar lombrigas?

    Não. O açúcar em excesso é prejudicial ao organismo porque pode causar cáries, obesidade e diabetes. No entanto não torna o indivíduo mais susceptível de apanhar lombrigas, pois já vimos que isso depende apenas da ingestão dos ovos de Ascaris Lumbricoides, o que está principalmente relacionado com más condições de higiene, saneamento e preparação de alimentos.

    O que acontece às lombrigas depois de atingirem o estado adulto?

    As lombrigas vivem no intestino depois de atingir a idade adulta, onde se reproduzem pondo ovos. Os ovos são eliminados através das fezes e vão contaminar de novo os terrenos.

    O tempo de vida médio de uma lombriga é de cerca de um ano.

    Quais são os sintomas da infestação por lombrigas?

    Na maioria das vezes a infestação por lombrigas é assintomática (não dá sintomas). Por vezes pode causar dores de barriga ou sintomas alérgicos como dificuldade respiratória ou erupção na pele.

    Nas crianças mal alimentadas, infestadas por grande número de parasitas, poderá haver sinais de subnutrição, porque os parasitas competem com o hospedeiro no aproveitamento dos alimentos.

    A infestação por lombrigas pode causar complicações?

    Embora as complicações não sejam frequentes podem surgir, particularmente nas grandes infestações (uma pessoa pode ser infestada por centenas ou até milhares de lombrigas). A presença de muitas lombrigas pode provocar obstrução total ou parcial do intestino, apendicite, obstrução da vias biliares, etc.

    Como se pode prevenir a infestação por lombrigas?

    A infestação por lombrigas e as outras parasitoses intestinais pode ser evitada adoptando algumas medidas simples :

    1. A água para beber ou lavar alimentos deve ser fervida, desinfectada ou filtrada se não houver garantia da sua pureza.

    2. Os frutos, verduras e legumes, principalmente se consumidos crus, devem ser cuidadosamente lavados para eliminar ovos e quistos de parasitas eventualmente presentes.

    3. Objetos que sejam utilizados para a preparação dos alimentos, ou que são introduzidos na boca, como as chupetas, devem ser mantidos limpos, evitando o risco de contaminação.

    4. As mãos devem ser bem lavadas antes de se prepararem alimentos, antes das refeições e depois de se ir à casa de banho; as unhas das crianças devem manter-se curtas e limpas pois é frequente as crianças levarem as mãos à boca.

    5. Os alimentos devem ser protegidos do contato com moscas, pois estas podem transportar ovos de parasitas."

    Como se faz o diagnóstico de ascaridíase?

    Quando se suspeita da existência de lombrigas deve fazer-se uma análise de fezes para pesquisa de ovos e de parasitas. Como os ovos não são eliminados em todas as dejecções, a análise deve incidir sempre em três amostras de fezes para o diagnóstico ser mais seguro.

    Como a infestação por lombrigas é muitas vezes assintomática, a suspeita pode surgir pela observação de alterações no hemograma (análise das células do sangue) que são sugestivas de infestação por parasitas. Para esclarecimento dessa alteração o médico solicita uma pesquisa de ovos e parasitas nas fezes.

    Como se tratam as lombrigas?

    Há vários medicamentos que podem ser utilizados para tratar as lombrigas. São habitualmente conhecidos como desparasitantes e a sua utilização é simples.

    Existem desparasitantes sob a forma de comprimidos e sob a forma de suspensão (mais utilizada para as crianças).

    Habitualmente a dose do desparasitante é igual para todas as idades, e o tempo de administração é curto (um ou três dias consoante o medicamento utilizado).

    Quando se suspeita da existência de lombrigas deve- se consultar o médico assistente para que este confirme o diagnóstico e institua o tratamento adequado, evitando a propagação da doença e prevenindo o aparecimento de complicações.

    Fonte: www.medicoassistente.com

    Ascaridíase

    Aspectos Epidemiológicos da Ascaridíase

    Agente etiológico: Ascaris lumbricoides, ou lombriga.

    Reservatório: O próprio homem: o verme habita o intestino delgado.

    Modo de transmissão: Ingestão dos ovos infectantes do parasita, procedentes do solo, água ou alimentos contaminados com fezes humanas.

    Período de incubação: De 4 a 8 dias, período necessário para completar o ciclo vital do parasita.

    Período de transmissibilidade

    Durante todo o período em que o indivíduo portar o verme e estiver eliminando ovos pelas fezes. Portanto, é longo quando não se institui o tratamento adequado.

    As fêmeas fecundadas no aparelho digestivo podem produzir cerca de 200.000 ovos por dia.

    A duração média de vida dos vermes adultos é de 12 meses. Quando os ovos embrionados encontram um meio favorável, podem permanecer viáveis e infectantes durante anos.

    Complicações

    Obstrução intestinal, volvo, perfuração intestinal, colecistite, colelitíase, pancreatite aguda e abscesso hepático.

    Aspectos Clínicos

    Descrição

    Doença parasitária do homem, causada por um helminto. Habitualmente, não causa sintomatologia, mas pode manifestar-se por dor abdominal, diarréia, náuseas e anorexia.

    Quando há grande número de vermes, pode ocorrer quadro de obstrução intestinal. Em virtude do ciclo pulmonar da larva, alguns pacientes apresentam manifestações pulmonares com broncoespasmo, hemoptise e pneumonite, caracterizando a síndrome de Löefler, que cursa com eosinofilia importante. Quando há grande número de vermes, pode ocorrer quadro de obstrução intestinal.

    Sinonímia: Infecção por Ascaris.

    Características epidemiológicas: O Ascaris é o parasita que infecta o homem com maior freqüência, estando mais presente em países de clima tropical, subtropical e temperado. As más condições de higiene e saneamento básico e a utilização de fezes como fertilizantes contribuem para a prevalência dessa helmintose nos países do Terceiro Mundo.

    Vigilância Epidemiológica

    Objetivo

    Não se desenvolve ações específicas de Vigilância Epidemiológica. Entretanto, deve-se fazer o tratamento como forma de evitar complicações e diminuir as possibilidades de reinfecções.

    Notificação

    A ascaridíase não é doença de notificação compulsória.

    Medidas de Controle

    Evitar as possíveis fontes de infecção, ingerir vegetais cozidos e não crus, higiene pessoal, saneamento básico adequado. Tratamento em massa das populações tem sido preconizado por alguns autores.

    Fonte: www.pgr.mpf.gov.br

    Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal