Breaking News
Home / Biologia / Eritropoetina

Eritropoetina

PUBLICIDADE

O que é

A eritropoetina é um hormônio produzido nos rins. A existência desse hormônio é conhecida desde 1906, quando os cientistas começaram a isolá-lo.

Desde a década de 1980, versões recombinantes do hormônio estão disponíveis para uso em tratamento médico.

As pessoas podem usar a eritropoetina em tratamentos para anemia, geralmente no caso de anemia causada por quimioterapia, doença renal crônica ou insuficiência cardíaca.

Um médico geralmente supervisiona o uso desse hormônio com exames de sangue periódicos para monitorar o progresso do paciente.

Seu uso por atletas para ganhar vantagem na competição foi proibido por muitas organizações esportivas.

Aumenta a produção de glóbulos vermelhos

Este hormônio estimula a produção de glóbulos vermelhos na medula óssea. É produzido pelos rins quando células especializadas nos rins sentem que o nível de oxigênio nos tecidos do corpo é baixo.

Quando introduzida sinteticamente por injeção, a eritropoetina pode ajudar a tratar a anemia, aumentando o número de glóbulos vermelhos no corpo.

As injeções podem ser necessárias porque os rins não estão produzindo eritropoetina suficiente por conta própria ou quando um paciente está com anemia grave. Na ocasião, eles devem ser complementados com comprimidos de ferro.

O gene para a produção de eritropoetina está localizado no sétimo cromossomo.

Em uma pessoa normal e saudável, os níveis do hormônio podem variar, com níveis que tendem a ser maiores em atletas e pessoas que vivem em grandes altitudes, porque esses indivíduos experimentam mais privação de oxigênio em seus tecidos musculares.

Se alguém tem anemia, um teste de eritropoetina pode ser solicitado para explorar a causa da anemia, com o nível do hormônio no sangue sendo usado como um indicador.

Uso por Atletas

Além de ser usado em tratamento médico sob a supervisão de um médico, esse hormônio é às vezes utilizado por atletas como uma droga para melhorar o desempenho.

A eritropoetina supostamente aumenta a resistência dos atletas, e a droga é difícil de ser detectada nos exames de doping porque a substância está naturalmente presente no corpo.

Níveis elevados de eritropoetina podem, no entanto, aumentar a pressão arterial.

Alguns médicos sugeriram que o uso excessivo desse hormônio pode explicar um aumento nas mortes relacionadas ao exercício entre pessoas que são corredores de elite ou ciclistas, porque a pressão alta perturba o coração e o exercício empurra o corpo acima do limite.

Estrutura química

A eritropoetina é uma glicoproteína, que é uma proteína com um açúcar ligado.

Numerosos hormônios reprodutivos são glicoproteínas, assim como anticorpos e algumas partes do tecido conjuntivo, como os músculos.

Estas proteínas geralmente aumentam a viscosidade, razão pela qual elas aparecem em secreções como fluidos lubrificantes juntamente com estruturas como claras de ovos.

Quais fatores afetam os níveis de eritropoetina?

A eritropoetina é o principal hormônio, ou químico catalítico, que regula a produção contínua de hemácias, os transportadores de oxigênio para todos os tecidos do corpo humano. Às vezes, também é chamado de hematopoietina, para o prefixo que significa “sangue”. Além de estimular a produção, a eritropoetina também prolonga a vida útil natural dos glóbulos vermelhos existentes.

Os dois fatores metabólicos naturais mais importantes que afetam os níveis de eritropoetina são os níveis correspondentes de glóbulos vermelhos ou oxigênio na corrente sanguínea.

No entanto, a eritropoetina pode ser sintetizada e extraída em laboratório, permitindo que pessoas necessitadas ou queiram elevar seus níveis sanguíneos com medicação.

O fabrico de glóbulos vermelhos é um processo complexo chamado eritropoiese. Em um feto em desenvolvimento, a responsabilidade recai sobre o órgão do fígado. Quando seu esqueleto se forma suficientemente, sua medula óssea assume a responsabilidade, enquanto o fígado adota sua nova responsabilidade de destruir as células sanguíneas gastas.

A eritropoetina é o agente crítico nos estágios iniciais do desenvolvimento das hemácias na medula.

A eritropoetina é produzida por tecido especializado encontrado principalmente nos rins e no fígado, o qual coincide, também, com um derivado da glicose simples, que é o combustível queimado pelo tecido muscular.

A eritropoetina é uma glicoproteína, uma proteína ligada a dois ou mais açúcares simples. Quando os níveis de açúcar no sangue flutuam, os níveis de eritropoetina podem flutuar de maneira correspondente.

É lógico que os níveis de eritropoetina irão aumentar à medida que a necessidade do corpo humano por células vermelhas do sangue ou aumentos de oxigênio, o último sendo acreditado para ser a principal alavanca que determina a sua concentração normal no sangue. A hipóxia, a condição de baixo oxigênio no sangue, que é uma situação normal durante a atividade aeróbica prolongada e vigorosa, faz com que o rim produza a eritropoetina.

A doença renal crônica e outras doenças que causam anemia, a insuficiência de células vermelhas do sangue, afetarão seriamente os níveis de eritropoetina.

Outras situações médicas, como a exposição à radiação de terapias contra o câncer, podem ter o mesmo efeito.

O hormônio também é criticamente necessário nas etapas que levam à capacidade do sangue de coagular e selar as feridas, tanto internas quanto externas.

Quando qualquer parte do corpo humano libera um sinal de perigo químico de trauma na corrente sanguínea, uma das respostas é uma elevação dos níveis de eritropoetina. Lesões infligidas nos nervos desencadeiam isso também.

Após a perda de sangue de cirurgias hospitalares e a correspondente queda nos níveis de eritropoetina, alguns estudos recomendam a administração de medicamentos baseados em eritropoetina, enquanto outros estudos a desencorajam devido ao seu papel na promoção do sangue para formar coágulos.

A a eritropoetina sintética produzida em laboratórios é classificada como um medicamento para melhorar o desempenho. Seu uso, naturalmente, eleva os níveis de eritropoetina, o que aumenta os glóbulos vermelhos, que fornecem mais oxigênio aos tecidos musculares, o que lhes dá maior força e resistência.

Testes de sangue e urina, no entanto, podem potencialmente detectar diferenças mínimas de eritropoetina natural, e atletas profissionais são rotineiramente testados para verificar o chamado ” doping sanguíneo “.

Resumo

Eritropoetina, hormônio produzido em grande parte nos rins que influencia a taxa de produção de glóbulos vermelhos (eritrócitos).

Quando o número de hemácias circulantes diminui ou quando o oxigênio transportado pelo sangue diminui, um sensor não identificado detecta a mudança e a produção de eritropoetina é aumentada.

Esta substância é então transportada através do plasma para a medula óssea, onde acelera a produção de glóbulos vermelhos.

O mecanismo de eritropoetina funciona como um termostato, aumentando ou diminuindo a taxa de produção de glóbulos vermelhos de acordo com a necessidade.

Quando uma pessoa que viveu em altas altitudes se move para um ambiente ao nível do mar, a produção de eritropoetina é suprimida, a taxa de produção de glóbulos vermelhos diminui e a contagem de glóbulos vermelhos cai até que o valor normal do nível do mar seja alcançado. Com a perda de um litro de sangue, o mecanismo de eritropoetina é ativado, a produção de eritrócitos é aumentada e, em poucas semanas, o número de hemácias circulantes foi restaurado para o valor normal. A precisão do controle é extraordinária, de modo que o número de novas células produzidas com precisão compense o número de células perdidas ou destruídas.

A eritropoetina foi produzida in vitro (fora do corpo) usando tecnologia de DNA recombinante. O hormônio recombinante purificado é promissor para pessoas com insuficiência renal crônica, que desenvolvem anemia por falta de eritropoetina.

A eritropoetina foi o primeiro fator de crescimento hematopoiético a ser desenvolvido para fins terapêuticos. Além de tratar a anemia associada à insuficiência renal crônica, ela é usada para tratar a anemia associada à terapia com zidovudina em pacientes infectados pelo HIV. Pode também ser útil na reversão da anemia em pacientes com câncer que recebem quimioterapia.

A eritropoetina também tem sido administrada após um AVC, em um esforço para induzir ou aumentar o crescimento de neurônios, evitando assim danos cerebrais e estimulando a recuperação funcional.

Fonte: Equipe Portal São Francisco

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Animais híbridos

Animais híbridos

PUBLICIDADE O que são animais híbridos? Quando falamos em animais híbridos, nos referimos a seres …

Classificação das Bactérias

Classificação das Bactérias

PUBLICIDADE Você conhece a classificação das bactérias? As bactérias são seres vivos microscópicos que apresentam, …

Citocininias

Citocininas

PUBLICIDADE Você já ouviu falar em citocininas? As citocininas, substâncias são conhecidas como hormônios vegetais, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.