Breaking News
Home / Saúde / Neurastenia

Neurastenia

O que é Neurastenia?

PUBLICIDADE

George Miller Beard era um americano neurologista no século 19, e desenvolveu o termo neurastenia na década de 1860.

Por esta expressão, Beard esperava para fornecer um diagnóstico de uma condição descritiva vago e sombrio, que pode incluir uma variedade de sintomas, que foram pensados devido a falhas ou cansaço do sistema nervoso central. Essas coisas incluídas como dor, dormência, dores de estômago, ansiedade, depressão, fadiga e até mesmo suspirando por nenhuma razão.

Como um diagnóstico na medicina ocidental, neurastenia desapareceu de popularidade, e não é mais usado, embora ainda seja um diagnóstico comum em partes da Ásia. Na maioria dos casos, em lugares como os EUA, muitos outros diagnósticos, pode tomar o seu lugar, dependendo dos sintomas predominantes, e muitos destes diagnósticos são condições mentais. Alternativamente, condições como a síndrome da fadiga crônica, que é causada pelo vírus Epstein Barr, pode ter sido a causa provável de alguns casos de neurastenia.

Havia muitos tratamentos preconizados para a cura de neurastenia, e alguns deles foram terríveis para suportar. Eles incluíram a terapia de eletrochoque, que não era nada parecido com os modernos métodos empregados. As pessoas estavam conscientes e espasmos causados por correntes elétricas que atravessam o cérebro eram extremamente doloroso.

Outra cura comum, especialmente quando o diagnóstico se tornou popular no final do século 19, foi a cura de repouso que envolveu sendo contido na cama durante as primeiras semanas e isolado de toda a família por até dois meses. Este foi muitas vezes forçado sobre as pessoas e as mulheres tinham mais probabilidade de realizá-lo. Alimentação a uma demanda de uma cura resto poderia ser abusado – qualquer marido poderia sugerir sua esposa estava doente e precisava de neurastenia ou condições como “histeria”.

Neurastenia

O diagnóstico de neurastenia permaneceu um comum até pouco depois da Primeira Guerra Mundial avanços na medicina criou uma melhor compreensão das doenças mentais e doenças do sistema nervoso central e outros diagnósticos suplantou-os. Na verdade, a diversidade de sintomas tornou difícil de tratar. Embora a terapia de eletrochoque poderia aliviar a depressão, ele não fez nada para a dor ou dormência que pode ter outras causas. Mais especificidade foi necessária porque os diferentes tratamentos foram necessárias para resolver variados sintomas.

Há países onde neurastenia ainda é usada como um diagnóstico. Às vezes é usado na Ásia, especialmente quando há sintomas de transtornos mentais presentes.

Forte estigma existe sobre a doença mental em algumas culturas asiáticas, e ser diagnosticado com a neurastenia evita esse estigma. Em alguns aspectos, o uso continuado do termo é infeliz porque pode ignorar a doença mental grave que poderiam ser tratados com medicamentos disponíveis e / ou com a terapia.

Fonte: www.wisegeek.com

Neurastenia

Entre os transtornos mentais mais comuns na população está a Neurastenia. O perfil típico é de um paciente que frequentemente procura auxílio médico por variadas queixas somáticas e vagas. Tendem a ter muitas dificuldades em relatar com precisão seus sintomas e quando estes ocorrem. Dificilmente relatam queixas psicoemocionais, que acabam por dificultam enormemente um diagnóstico psiquiátrico com um tratamento correto. Por estes motivos, são verdadeiros “peregrinos” de variados tipos de atendimento em saúde, especialidades médicas e diferentes profissionais.

A neurastenia é uma patologia bastante comum mas pouco reconhecida nos estudos em psiquiatria. Isto porque manifesta-se principalmente em indivíduos que pouco procuram assistência e desta forma são pouco comuns nos ambulatórios e hospitais especializados em psiquiatria. Entretanto é uma condição importante e que pode ocasionar inúmeros prejuízos individuais e sociais, principalmente porque geralmente não é diagnosticada e tratada.

Veja abaixo as definições, conforme apresentado na Classificação Internacional de Doenças:

Neurastenia: “Existem variações culturais consideráveis para a apresentação deste transtorno, sendo que dois tipos principais ocorrem, com considerável superposição. No primeiro tipo, a característica essencial é a de uma queixa relacionada com a existência de uma maior fatigabilidade que ocorre após esforços mentais freqüentemente associada a uma certa diminuição do desempenho profissional e da capacidade de fazer face às tarefas cotidianas. A fatigabilidade mental é descrita tipicamente como uma intrusão desagradável de associações ou de lembranças que distraem, dificuldade de concentração e pensamento geralmente ineficiente. No segundo tipo, a ênfase se dá mais em sensações de fraqueza corporal ou física e um sentimento de esgotamento após esforços mínimos, acompanhados de um sentimento de dores musculares e incapacidade para relaxar. Em ambos os tipos há habitualmente vários outras sensações físicas desagradáveis, tais como vertigens, cefaléias tensionais e uma impressão de instabilidade global. São comuns, além disto, inquietudes com relação a uma degradação da saúde mental e física, irritabilidade, anedonia, depressão e ansiedade menores e variáveis. O sono freqüentemente está perturbado nas suas fases inicial e média mas a hipersonia pode também ser proeminente.”

Tratamentos

Para o tratamento da neurastenia, alguma forma de psicoterapia parece ser importante, mesmo não estruturada. A psicoterapia de suporte e psicoeducacional é muito importante pois além de proporcionar um acompanhamento adequado da evolução do transtorno, auxilia no acompanhamento da resposta aos medicamentos. Pode auxiliar o paciente a lidar melhor com a sua doença uma vez que trabalha com informações acerca do entendimento do que significam os sintomas que o paciente percebe e dar auxílio e suporte nos momentos de crise.

Em relação a medicamentos, os tratamentos em geral são antidepressivos, os mesmos utilizados no tratamento para transtornos depressivos.

Referências Utilizadas

American Psychiatric Association. DSM-IV-TR – Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. 4 ed. rev. Porto Alegre: Artmed; 2002.
Sadock BJ, Sadock Va, editors. Kaplan & Sadock´s: Comprehensive textbook of Psychiatry. 7 ed. Philadelphia (PA): Lippincott Williams & Wilkins. 2000

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Síndrome de Williams

Síndrome de Williams

PUBLICIDADE A síndrome de Williams é um distúrbio do desenvolvimento que afeta muitas partes do …

Líquen Escleroso

Líquen Escleroso

PUBLICIDADE O líquen escleroso é uma condição dermatológica que afeta principalmente mulheres após a menopausa …

Irite

Irite

PUBLICIDADE O que é A irite é inflamação da íris (a parte colorida do olho). …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.